Pelo menos 14 pessoas morreram esta segunda-feira e outras 23 ficaram feridas na sequência de um novo atentado à bomba na cidade russa de Volgogrado, disse o vice-governador da região, Valisi Galushkin. Inicialmente, tinham sido apontadas 15 vítimas mortais.

Putin ordena reforço da segurança em todo o país

Este é o segundo atentado em menos de 24 horas em Volgogrado. No domingo, uma bombista suicida fez-se explodir na estação de comboios, causando 17 mortos e 45 feridos, de acordo com os mais recentes dados oficiais.

«Isto é horroroso», afirmou, no local, Valisi Galushkin, em declarações à agência Interfax, citadas pela Efe, sublinhando que o balanço das vítimas do atentado é, contudo, preliminar.

O artefacto explodiu, esta manhã, no interior de um elétrico (troleibus) do sistema de transporte público de Volgogrado.

Segundo a televisão russa, o trólei - meio comum de transporte nas cidades russas - ficou completamente destruído.

O porta-voz do Comité de Instrução russo, Vladimir Markin, confirmou ter-se tratado de um atentado terrorista, anunciando a abertura de um inquérito.

«Foi aberta uma investigação por terrorismo e tráfico de explosivos», acrescentou o mesmo responsável, em declarações às agências russas.

O Comité Nacional Antiterrorista da Rússia adiantou que os primeiros dados indicam que o atentado não foi perpetrado por um terrorista suicida, mas antes que a bomba foi colocada no interior do trólei, que se dirigia para o centro da cidade.