Barack Obama revelou que os Estados Unidos já enviaram uma equipa de «militares, forças da lei e outras agências» para ajudar a Nigéria a recuperar as mais de 200 meninas raptadas pela milícia islamista Boko Haram.

O presidente norte-americano classificou a situação como «horrível», numa série de entrevistas televisivas em que comentou o assunto, e defendeu também uma posição forte relativamente à organização por trás deste caso que está a chocar o mundo.

«A curto prazo o nosso objetivo é obviamente ajudar a comunidade internacional e o Governo nigeriano, como equipa, para fazermos tudo o que pudermos para resgatar estas raparigas», disse Obama: «Mas também teremos de lidar com o problema maior de organizações como esta, que podem perturbar desta forma a vida das pessoas.»

«Boko Haram, esta organização terrorista que tem operado na Nigéria, anda a matar pessoas e civis inocentes há muito tempo», diz, acrescentando que este grupo está identificado como «uma das piores organizações terroristas regionais do mundo». «Matam pessoas há muitos anos. Já andávamos à procura de mais colaboração. Isto pode ser o evento que ajude a mobilizar a comunidade internacional para fazer finalmente algo em relação a esta terrível organização.»

Entretanto, o Governo nigeriano decidiu fixar uma recompensa para quem fornecer informações que possam ajudar na captura dos raptores. São cerca de 300 mil dólares, 215 mil euros.

Um comunicado da polícia nigeriana disse que a recompensa será dada a quem «apresentar informação credível que leve à localização e resgate das jovens estudantes» e também que «toda a informação será tratada de forma anónima e confidencial».