A mulher que foi abatida na quinta-feira, na sequência de uma perseguição, junto ao Capitólio, Washington, Estados Unidos, sofria de depressão pós-parto. A informação foi avançada pela mãe da jovem, em declarações à rede de televisão ABC News.

Idella Carey disse que a filha, Miriam Carey, de 34 anos, chegou a estar internada no ano passado, mas não tinha histórico de violência. A mãe da mulher disse ainda que não sabia o que a filha estava a fazer em Washington.

Também um vizinho de Miriam disse à ABC News acreditar que ela sofria de problemas mentais. Em entrevista ao «New York Times», um ex-patrão de Carey disse que a demitiu há cerca de um ano, por causa do «temperamento explosivo» dela.

Miriam Carey seria assistente de dentista e viajava com a filha de um ano no banco de trás do carro. A menina não foi atingida pelos disparos e está sob guarda judicial.