Notícia atualizada às 13:30

O gabinete de Netanyahu confirmou este sábado a morte de Ariel Sharon, o antigo general que foi um dos mais importantes líderes israelitas. A notícia já tinha sido avançada pela rádio do exército hebraico, que citava fontes familiares.

Ariel Sharon estava em coma desde 2006, altura em que sofreu um segundo AVC. Nas últimas semanas, o seu estado de saúde degradou-se, com alguns órgãos a entrar em falência.

Foi Ariel Sharon que comandou a invasão do Líbano, em 1982, e obrigado a renunciar nesse mesmo ano devido a um polémico ataque a um campo de refugiados palestiniano. Nove anos depois, chegou à liderança do Governo de Israel, tendo sido reconduzido dois anos depois.

Grande defensor da colonização dos territórios palestinianos, este líder da direita israelita organizou, em 2005, a retirada de Israel da Faixa de Gaza e o desmantelamento das colónias instaladas na região.

Em dezembro de 2005, já depois de ter abandonado o Likud e formado um novo partido, sofre um pequeno derrame que o obriga a ser hospitalizado. Recupera. mas a 4 de janeiro do ano seguinte teve um acidente vascular cerebral que o atira para coma durante oito anos.

No final de 2013, os médicos chegaram a registar alguma melhoria no seu estado, notando que a atitividade cerebral intensifica-se quando lhe são mostradas fotografias da família, mas nos últimos dias o seu estado de saúde tinha piorado consideravelmente.

Faleceu este sábado num hospital perto de Telavive, aos 85 anos.