Milhares de pessoas são este domingo esperadas na sede do parlamento de Israel para prestar a última homenagem ao ex-primeiro-ministro Ariel Sharon, cuja morte provocou reações de admiração e repulsa.

Considerado um herói militar no país, reconhecido como um político pragmático no estrangeiro e odiado como um criminoso pelos palestinianos e pelo mundo árabe, o ex-chefe de governo é uma figura controversa.

No entanto, os israelitas de todos os setores reconhecem que o ex-governante é uma figura chave na história do seu país e a sua morte deixa o presidente Shimon Peres como o último sobrevivente entre os pais do Estado judaico.

Ariel Sharon vai ser enterrado na segunda-feira, no seu rancho, no deserto de Neguev, no sul de Israel. Antes, vai receber honras fúnebres numa cerimónia no Knesset, o parlamento de Israel.