Milhares de japoneses saíram, esta terça-feira, às ruas de Tóquio para ver a nova embaixadora dos Estados Unidos. Caroline Kennedy foi apresentar as credenciais, assinadas por Barack Obama, ao imperador do gigante asiático. Fica assim formalizado o estatuto de embaixadora da filha de John Fitzgerald Kennedy, a apenas três dias dos 50 anos do assassinato do emblemático Presidente norte-americano.

Estilo europeu, carruagem japonesa. Foi assim que Caroline Kennedy chegou ao palácio imperial, para se apresentar ao imperador Akihito. A cerimónia protocolar com que o Japão recebe os novos embaixadores remonta a meados do século XIX. Na maior parte das vezes passa despercebida, mas esta vez não foi assim. Milhares de pessoas saíram às ruas de Tóquio para ver a filha de John Kennedy.

Sobre a diplomata, que chega ao posto a alguns dias dos 50 anos do assassinato do pai, há quem questione se o nome basta. Mas, no Japão, a nomeação de alguém tão próximo de Barack Obama é visto com um sinal positivo do Presidente norte-americano.

Advogada e escritora, Caroline Kennedy fugiu sempre à tentação familiar de entrar na vida política ativa. Mas não hesitou em dar mão a Barack Obama na corrida à Casa Branca. Aos 55 anos, a resistência terminou, e pela mão de Obama, tornou-se a primeira mulher embaixadora dos Estados Unidos num país asiático.