O avião da Malaysia Airlines voou durante horas de uma forma «consistente com uma ação deliberada» após desaparecer dos radares, mas não foi possível confirmar a hipótese de sequestro, revelou hoje o primeiro-ministro da Malásia.

A última comunicação via satélite com o avião da Malaysia Airlines, que transportava 239 pessoas a bordo, chegou mais de seis horas e meia depois de ter desaparecido do radar civil, explicou Najib Razak, durante uma conferência de imprensa transmitida em direto pela televisão.

O movimento da aeronave no período intermédio - durante o qual mudou de direção e seguiu rumo ao Oceano Índico - é «consistente com uma ação deliberada de alguém no interior do avião», disse o primeiro-ministro, indicando que os sistemas de transmissão de dados do Boeing 777 «foram desativados».

A mesma fonte acrescentou que o aparelho estará num de dois corredores aereos, entre a Tailândia e o Cazaquistão ou entre a Indonésia e o sul do Oceano Índico.

Já ontem se soube que a investigação ao desaparecimento do voo 370 da Malysia Airlines, desaparecido há sete dias, tinha um inquérito aos dois pilotos da aeronave.

Segundo a ABC News, as suspeitas sobre a culpa dos pilotos intensificaram-se depois de oficiais norte-americanos terem afirmado que alguns dos sistemas de comunicação foram desligados manualmente.

O Boeing 777 da Malaysian Airlines desapareceu no passado sábado, sem deixar rasto, depois de ter partido de Kuala Lumpur rumo a Pequim, com 239 pessoas a bordo, incluindo 12 tripulantes.