Mais de 200 imigrantes subsarianos conseguiram entrar na última madrugada em Melilla. Esta é a entrada mais numerosa desde 2005 e a segunda do género que se regista nesta semana, depois de na última segunda-feira terem passado a fronteira sem autorização mais de uma centena de pessoas. Esta é a quinta vaga de imigração só desde o início deste ano.

Segundo o diário espanhol «El Mundo», a entrada em Melilla, depois de escalada a barreira fronteiriça, deu-se de forma ruidosa, com os imigrantes a gritar «Liberdade, liberdade» ou «Viva Espanha». Melilla é uma cidade autónoma espanhola que faz fronteira com Marrocos.

As mais de 200 pessoas percorreram as ruas da cidade sem que fosse vista qualquer força de segurança, sendo que, de acordo com a imprensa espanhola, procuravam o Centro de Estadia Temporária de Imigrantes (CETI) ou a polícia. O jornal «El País» escreve que o grupo inicial que tentou chegar à Europa seria de 300 pessoas e algumas das que passaram a fronteira precisaram de assistência médica.

Centro está lotado

No CETI estão atualmente 1300 pessoas alojadas, quando as instalações foram preparadas para acolher, no máximo, 480 pessoas. À imprensa espanhola, o diretor daquele centro, Carlos Montero, disse que vai já pedir ajuda ao Exército e à Cruz Vermelha, no sentido de estarem disponíveis mais alimentos e tendas de campanha.

No início desta semana, quando tentaram entrar em Melilla 500 pessoas, mas apenas 150 o conseguiram, a situação foi «muito violenta», segundo afirmaram as autoridades marroquinas, o que se traduziu em 14 imigrantes e 13 elementos das forças de segurança feridos.

Há 11 dias, registou-se uma outra vaga de imigração proveniente de África - entraram 150 pessoas sem autorização -, o que tem levado a população local a mostrar alguns sinais de preocupação.