O comandante do avião moçambicano que se despenhou na Namíbia no final de novembro precipitou «intencionalmente» o aparelho contra o solo, provocando 33 mortos, revelou o inquérito preliminar divulgado neste sábado.

As caixas negras do avião comprovam que o comandante Hermínio dos Santos Fernandes tinha a «intenção clara» de fazer despenhar o avião que pilotava, indicou em conferência de imprensa João de Abreu, presidente do Instituto moçambicano da aviação civil (IACM).

As investigações preliminares à queda do Embraer da companhia de bandeira moçambicana LAM, em dia 29 de novembro, já tinham descartado a possibilidade de falhas mecânicas terem originado o desastre.

Na ocasião, João de Abreu, assegurou que os elementos retirados das caixas negras e do local do acidente, na Namíbia, revelaram a inexistência de falhas mecânicas no aparelho.

O acidente ocorreu na floresta da zona fronteiriça entre a Namíbia e o Botsuana, matando todas as 33 pessoas que nele viajavam - 27 passageiros e seis tripulantes. Entre as vítimas do acidente, havia sete portugueses, dois dos quais com dupla nacionalidade.