O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, telefonou domingo ao primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, com quem discutiu o acordo entre o Irão e o grupo G5+1 em Genebra que permitirá parar seis meses o programa nuclear de Teerão.

Em comunicado, a Casa Branca revelou que os dois líderes «reafirmaram o objetivo comum de impedir que o Irão obtenha uma arma nuclear» e Obama explicou ao chefe do Governo de Israel que os membros do Conselho de Segurança da ONU mais a Alemanha irão promover nos próximos meses «uma solução duradoura, pacífica e abrangente».

A mesma nota refere que Obama comunicou a Benjamin Netanyahu o objetivo norte-americano de «iniciar imediatamente consultas com Israel» no âmbito das negociações que vão decorrer para uma solução abrangente e completa.

Coreia do Sul espera que acordo pressione Coreia do Norte

A Coreia do Sul congratulou-se com o acordo que irá congelar temporariamente o programa nuclear iraniano, numa manobra que espera possa exercer pressão sobre a Coreia do Norte para que regresse às negociações destinadas a conter o desenvolvimento de armas nucleares.

«Celebramos que o grupo G5+1 e o Irão tenham chegado a um primeiro acordo para resolver a questão do programa nuclear iraniano», refere um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Seul.

Por outro lado, o pacto com o Irão «tem um grande significado para a Coreia do Norte ao exercer pressão sobre o país comunista, que mantém a sua opção nuclear», declarou, por sua vez, um alto funcionário do mesmo Ministério, citado pela agência Yonhap.