O presidente das Filipinas, Benigno Aquino, afirmou à CNN esta terça-feira que o tufão Haiyan terá provocado entre dois mil a 2500 mortos neste país, e não os 10 mil inicialmente divulgados.

«Penso que 10 mil é demais. Houve algum drama emocional envolvido nessa estimativa», afirmou, numa entrevista à cadeia de televisão norte-americana.

O governo filipino continua a reunir informação das áreas mais afetadas para contabilizar o número de vítimas e de desaparecidos. «Até agora, entre dois mil a 2500 mortos é o número que contámos», disse.