Um dia depois de ter estado em Bagdad, o secretário de estado norte-americano, John Kerry, foi ao Norte do Iraque apelar à colaboração dos líderes curdos para a formação de um governo de unidade nacional. Enquanto o governo e exército perdem o pé no terreno, os Estados Unidos tentam encontrá-lo na diplomacia.

Este encontro acontece numa altura em que os combatentes sunitas do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL) dizem ter tomado a refinaria de Baiji, a maior do país. Algo que o exército contesta.

O exército divulgou imagens de ataques aéreos contra os rebeldes e diz que matou o homem que comandou a investida contra a refinaria. Mas tomada ou não a refinaria, certo é que as filas de trânsito se acumulam nos postos de abastecimento do Iraque. Não é um mero acaso. Baiji alimenta maior parte dos automóveis do país.