Notícia atualizada às 10:33

As artistas Maria Alyokhina e Nadezhda Tolokonnikova, da banda punk russa Pussy Riot, foram libertadas esta segunda-feira depois de terem sido amnistiadas pelo governo russo.

«Maria Alyokhina saiu a pé para a liberdade», disse o advogado Pyotr Zaikin à agência RIA Novosti, ao salientar que «todos os documentos foram preenchidos e assinados».

Nadezhda Tolokonnikova foi libertada algumas horas depois, indicou a conta na rede social Twitter do seu marido Piotr Verzilov.

«Nádia está livre», anuncia a conta do grupo Voina, que mostra uma fotografia da jovem rodeada de jornalistas.

Tolokonnikova, de 24 anos, deixou o hospital penitenciário em Krasnoiarsk (Sibéria oriental) onde cumpria a sua pena e foi recebida pelo marido.

«A Rússia está construída como um campo prisional e por isso é que é tão importante mudar as prisões para mudar a Rússia a partir do interior», declarou Tolokonnikova aos jornalistas à saída da prisão, segundo imagens divulgadas pela televisão.

A jovem considerou que o tempo que passou detida não foi «tempo perdido» e que «cresceu» com a experiência.

«Vi esta pequena máquina totalitária do interior», disse, prometendo dedicar-se à defesa dos presos.

Maria Alyokhina e Nadezhda Tolokonnikova tinham sido sentenciadas a dois anos de cadeia após uma atuação/protesto numa igreja de Moscovo em março passado, mas foram amnistiadas na passada semana.