[atualizado às 12:39]

A Crimeia é considerada parte da Rússia a partir de hoje, anunciou a presidência russa depois de Vladimir Putin e os dirigentes da península autónoma assinarem um tratado bilateral para a integração da Crimeia na Federação Russa.

«A República da Crimeia é considerada como integrada na Federação da Rússia a partir da data da assinatura do acordo», indicou o Kremlin num comunicado, divulgado nesta terça-feira.

Minutos antes, o presidente russo, Vladimir Putin, assinou um tratado bilateral de união com o primeiro-ministro da Crimeia, Sergui Aksionov, e outros dirigentes da península, na presença dos membros das duas câmaras do parlamento russo, dos governadores e dos membros do governo russo.

A cerimónia, transmitida pela televisão estatal, seguiu-se ao discurso de Putin sobre a Crimeia, no qual o presidente russo propôs ao Parlamento uma lei para integrar a Crimeia e a cidade de Sebastopol, base da Frota russa do Mar Negro, na Federação Russa.

«Proponho à Assembleia Federal (as duas câmaras do parlamento russo) que adote uma lei para incluir na Federação da Rússia dois novos sujeitos, a Crimeia e a cidade de Sebastopol», disse Putin ao discursar no Kremlin perante os deputados e senadores russos.

O presidente russo assegurou, no entanto, que não pretende nem precisa de dividir a Ucrânia.

«Quero que me ouçam: não acreditem naqueles que receiam que, depois da Crimeia, outras regiões se seguirão. A Rússia não quer dividir a Ucrânia. Não precisamos disso», garantiu.

Putin referia-se às regiões do leste e sudeste da Ucrânia, de população maioritariamente russa, as quais, afirmou, serão defendidas «por meios políticos e diplomáticos».

«No que diz respeito à Crimeia, sempre foi e será russa e ucraniana e crimeo-tártara», observou, acrescentando que a república autónoma «deve estar sob soberania da Rússia».

A Crimeia está no centro da tensão entre a Rússia e a Ucrânia desde a destituição, em fevereiro, do presidente ucraniano Viktor Ianukovich, considerado pró-russo.

As autoridades locais da península autónoma, de população maioritariamente russa, recusaram reconhecer o novo governo de Kiev.

No domingo, a união da Crimeia com a Rússia foi aprovada em referendo por 96,77% dos votantes e, na segunda-feira, o parlamento local declarou a independência em relação à Ucrânia e pediu oficialmente a anexação à Rússia.

As sanções da Europa dos 28 e dos Estados Unidos para com a Rússia já foram, por seu turno, anunciadas.

A União Europeia não poupou sequer altas figuras russas. A obtenção de vistos nos passaportes por parta dos russos passou a ser uma tarefa dificultada, adiantou a Reuters.

A Rússia já veio dizer que vai «retaliar» contra as sanções da UE, de acordo com o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, citado pela ITAR-TASS.