O avião das linhas aéreas da Malásia que desapareceu há uma semana foi desviado e estão a ser agora consideradas duas hipóteses em relação ao rumo que tomou.

Especialistas respondem às dúvidas sobre o avião desaparecido

Os dados mais recentes colocam o voo MH370 em dois corredores possíveis: um para Norte, que se estende da Tailândia à fronteira com o Cazaquistão e o Turquemenistão e outro que começa na Indonésia e se prolonga pelo oceano Índico.

Nestes corredores poderá estar a resposta para o mistério, mas à volta deles está também uma área ainda mais vasta de buscas.

O avião desapareceu dos radares civis à 1:22 da madrugada do último sábado, mas novos dados mostram que foi identificado por um satélite até às 8:11. Isto quer dizer que pode ter voado mais sete horas até ser dado como perdido.

«Esta nova informação de satélite tem um impacto significativo da natureza e extensão das buscas. Estamos a terminar as operações no mar do sul da china e a reavaliar a relocalização dos nossos meios», disse o primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak.

O governante confirmou este sábado que o avião foi desviado da rota deliberadamente, depois de terem sido desligados os sistemas de comunicação e localização. «Estes movimentos são consistentes com uma ação deliberada de alguém dentro do avião», explicou.

O chefe de governo não confirma um sequestro, mas essa linha de investigação é cada vez mais forte: «As autoridades da malásia voltaram a centrar a investigação na tripulação e passageiros a bordo».

Este sábado foram realizadas buscas na casa do comandante do aparelho. Só ele, o copiloto ou alguém que soubesse pilotar um avião deste tamanho poderia inverter a rota.