Alguns dos segredos sobre a existência de vida em Marte, no passado, podem estar encerrados em vidro.

É claro que não falamos do vidro industrial, feito pelo Homem em fábricas, mas daquele que é produzido pela Natureza durante impactos de enorme força, como os que são causados por cometas, asteróides ou meteoritos. O embate desses corpos celestes na superfície marciana provocou temperaturas tão elevadas, que acabaram por transformar o solo em vidro.

O Veículo Orbital de Reconhecimento de Marte, da NASA, detetou acumulações dessa matéria em crateras do planeta vermelho. A descoberta foi anunciada esta semana na revista científica "Geology".

Graças a este achado, os cientistas poderão abrir uma janela sobre o passado de Marte. Os depósitos de vidro formam-se com tal rapidez que incluem frequentemente moléculas orgânicas e restos de plantas, Se esses vestígios forem encontrados, darão dados preciosos sobre as formas de vida que terão existido em Marte num passado remoto.

A NASA diz que as acumulações de vidro causadas por impactos são relativamente comuns no planeta vermelho. Agora, é preciso esperar que novos robôs sejam enviados para Marte, para que se possa fazer a recolha de amostras e tirar as dúvidas.