O Qatar decidiu orientar os turistas e os estrangeiros que residem no país sobre o código de vestuário que devem adotar. Num apelo ao respeito pelos valores islâmicos e ao uso, em público, de vestuário «modesto», começaram, esta semana, a ser distribuídos panfletos com imagens de roupas que não são aceitáveis.

De acordo com o jornal britânico «The Independent», o texto do panfleto cita o artigo 290 do código penal do Qatar. De acordo com esse artigo, «aquele que fizer gestos, recitar músicas, disser frases indecentes ou fizer qualquer ato obsceno de qualquer forma ou perto de qualquer lugar público será punido com prisão que não deve exceder seis meses e uma multa de até três mil riyals [587 euros]».

Além da distribuição de panfletos, a campanha «Reflect Your Respect» («Mostre o seu Respeito») está nas redes sociais Twitter e Instagram.





«A quantidade de roupas não modestas está a crescer nos lugares públicos, especialmente nos centros comerciais. Esse comportamento estrangeiro está em conflito com nossas tradições», afirma Nasser Al Maliki, chefe de relações públicas do Centro de Cultura Islâmica, ao site Gulf News.

«Nós não queremos que os nossos filhos sejam expostos a elas ou aprendam com elas, e é por isso que começámos esta campanha», acrescenta.

O Qatar, que vai ser palco do Campeonato do Mundo de Futebol em 2022, tem uma população de pouco mais de dois milhões de pessoas e usa a lei islâmica como a principal fonte de legislação.

O país é também o lar de cerca de 17.500 cidadãos britânicos e outros 40 mil visitam o país por ano, de acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros e da Commonwealth.