O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, prometeu que o seu Governo terá «mão de ferro» contra os assassinos de «homens e mulheres de bem» no país.

«Quem matar vai ter uma resposta com mão de ferro, com autoridade democrática, com a Constituição na mão, mas não podemos aceitar isso, que ninguém duvide. Queremos a paz», disse.

Nicolás Maduro reagia à notícia da morte, a tiro, da antiga miss Venezuela Mónica Spear Mootz, 29 anos, por vários homens armados que assaltaram a viatura em que seguia.

«Não vai haver tolerância com os que pretendam manter ações deste tipo, matar homens e mulheres de bem, que têm direito à vida», disse, ao mesmo tempo que apelou «aos jovens que integram grupos violentos a cessarem os crimes já».

O presidente venezuelano disse ainda que será reestruturado o programa Plano Pátria Segura, de forma a melhorar a coordenação policial.

«Na Venezuela tem que haver respeito pela lei, tem que haver ordem, tem que haver respeito pela vida», frisou.

A polícia venezuelana confirmou terça-feira que Mónica Spear Mootz, que estava de visita à Venezuela, foi assassinada depois de atacada por um grupo de homens armados.

O automóvel em que seguia com o marido avariou na estrada que liga Valência a Puerto Cabello e os assaltantes mataram ainda o marido de Mónica Mootz, o empresário, Thomas Henry Berry, de 49 anos e nacionalidade irlandesa.

No ataque ficou ainda ferida a filha do casal, de apenas cinco anos.

Entretanto as autoridades confirmaram que cinco pessoas foram detidas por suspeita de envolvimento no assassínio, entre eles dois menores de idade.