O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, realizou na quarta-feira uma inédita reunião com os recém-eleitos presidentes de câmaras municipais, opositores, chamando-os a «fazer um projeto comum» com o Executivo para atacar os problemas do país.

«Parece-me muito importante esta reunião e já a estávamos avaliando antes das eleições (municipais de 08 de dezembro). Era necessário para abrir uma nova etapa», disse, sublinhando que respeita a posição política de cada um dos opositores.

Na reunião, que teve lugar no palácio presidencial de Miraflores durante cinco horas, participaram ainda os governadores opositores de vários Estados do país e o vice-presidente da Venezuela, Jorge Arreaza, o ministro de Petróleo e Minaria, Rafael Ramírez e o ministro venezuelano de Relações Interiores, Rodríguez Torres.

Oposição venezuelana disposta a trabalhar com o Governo mas sem «retaliações»

Entretanto, os autarcas opositores entregaram uma carta ao Presidente da Venezuela, na qual manifestam estar na disposição de trabalhar em conjunto com o Governo para solucionar os problemas do país, mas «sem quaisquer retaliações».

«Não estamos ao serviço de uma ideologia. Estamos ao serviço do povo, por isso o Governo nacional não pode pretender impor-nos um "Plano da Pátria" (programa) que declara o submetimento a uma ideologia em particular (socialismo) e que não está estabelecida na nossa Carta Magna», afirmam.

O documento foi entregue no palácio presidencial de Miraflores, durante uma inédita reunião promovida por Nicolás Maduro, na qual participaram mais de 60 presidentes de câmaras municipais e vários governadores de Estado opositores.