Zhang Shuxia, uma obstetra de um hospital pediátrico da província de Shaanxi, foi acusada de tráfico de humanos por vender, alegadamente, bebés que ajudava a trazer ao mundo.

O caso foi descoberto depois de Shuxia ter engando um casal, a quem disse que o seu recém-nascido tinha deficiências congénitas.

Dong Shanshan teve um menino, mas nunca chegou a ver a criança, que segundo a médica estaria melhor ao cuidado de uma instituição estatal.

Shanshan e o marido desconfiaram da situação e decidiram fazer queixa à polícia por rapto.

O bebé foi encontrado duas semanas depois na província de Henan, na casa de um homem que já tinha três filhas, mas queria um rapaz. Zhang terá vendido o bebé ao homem por cerca de 3,600 euros.

Segundo a Sky News, a criança foi devolvida à família e a médica e cinco outras pessoas foram detidas por suspeitas de tráfico de humanos.

A divulgação do caso nos media chineses já fizeram com que outros dez casais procurassem esclarecimentos sobre a médica. Todos afirmam que foram informados que os seus filhos nasceram mortos ou seriamente doentes e que seria melhor que a médica os levasse.