O Vaticano deteve um monsenhor e uma mulher por causa da divulgação de documentos confidenciais da Santa Sé.

Num comunicado citado pela AP, aquela autoridade eclesiástica revela que os dois foram interrogados no fim-de-semana. O homem ainda se encontra numa cela no Vaticano.

Já a mulher foi libertada por ter cooperado na investigação. Identificada como Francesca Chaouqui, tinha trabalhado para o Papa Francisco em 2013, num projeto de reforma das finanças da Santa Sé. Já o homem, indentificado como Rev. Lucio Anjo Vallejo Balda, é um empregado do Vaticano, diz a AP. 
 
As suspeitas sobre este crime surgiram na semana passada, quando a imprensa avançou que a polícia italiana estavam a tentar descobrir quem tinha violado o computador de um alto prelado do Vaticano que lida com questões financeiras.
 
Já não é a primeira vez que o Vaticano lida com casos deste género.  Em 2012, o descarregamento de documentos confidenciais do Papa Bento XVI levou à detenção e julgamento de um mordomo papal e de um técnico de informática do Vaticano. 

O Vaticano confirmou que o caso está a ser investigado.