Depois de vários dias de cheias, as águas do rio Sena já começam a descer. O rio que atravessa Paris aumentou em seis metros o caudal mas segundo as mais recentes previsões meteorológicas deve retomar a normalidade nos próximos dez dias.

Ontem, o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, fez um balanço da tragédia de quatro mortes e cerca 24 feridos com as cheias que avassalaram não só a Cidade da Luz, mas o país. Naquelas que são consideradas as maiores cheias dos últimos 34 anos, a região de Paris foi a mais afetada e apesar do tempo estar a mudar ainda há mais de 17 mil casas sem eletricidade

Indiferentes à catástrofe, os turistas que visitam a capital francesa trocar de atração turística. Até porque não é, para já, possível visitar museus com o Louvre que se encontra encerrado.

Mais de 600 milhões de euros de prejuízos é a estimativa, para já, O Governo que assegura ter tudo preparado para iniciar a reconstrução.