A ex-primeira-dama de França, Valerie Trierweiler, admitiu que tomou uma dose de comprimidos depois de ter descoberto a relação extra-conjugal de François Hollande com a atriz francesa Julie Gayet. Esta é uma das várias revelações sobre o fim do seu casamento com o Presidente francês que constam no livro «Merci pour ce moment» (Obrigada por este momento), que a jornalista vai agora lançar.

Alguns excertos foram revelados pela revista «Paris Match» e descrevem os momentos que se seguiram à descoberta da traição.

«Não consigo ouvir aquilo. Corro para a casa-de-banho. Pego num saco de plástico com comprimidos para dormir. François segue-me e tenta tirar-me o saco. Corro para o quarto. Os comprimidos espalham-se pela cama e pelo chão. Tento pegar alguns. Engoli o que consegui», lê-se num dos excertos.



François Hollande parece ter sido apanhado de surpresa. Segundo a BBC, o Presidente apenas teve conhecimento do lançamento do livro esta terça-feira.

A traição que abalou o Eliseu foi divulgada em janeiro, através das fotografias publicadas pela revista «Closer» que mostravam Hollande e Gayet à chegada de um hotel. O escândalo fez as capas da imprensa francesa durante semanas e teve ecos nos órgãos de comunicação de todo o mundo.

Depois da descoberta, Trierweiler teve de ser internada num hospital de Paris, onde permaneceu durante uma semana. Na altura, a imprensa francesa escreveu que a primeira-dama teria tomado vários comprimidos, mas que a hipótese de uma tentativa de suicídio estava excluída.

Trierweiler acabou por pedir o divórcio, sem fornecer muitos detalhes sobre o fim do casamento.

Agora, o livro com 330 páginas, que vai ser publicado, pela editora independente «Les Arènes», esta quinta-feira, promete dar outros contornos ao fim da relação.