A força aérea queniana bombardeou no domingo dois campos do grupo extremista islâmico somali que, na semana passada, reivindicou o ataque e sequestro numa escola do Quénia, que provocou 148 mortes.

Cynthia, a aluna que conseguiu «fugir à morte» na Universidade. Saiba como




A informação dos bombardeamentos foi confirmada à Reuters pelas Forças Armadas do Quénia.

Os campos atacados situam-se perto da fronteira com o Quénia e a cerca de 200 quilómetros da escola alvo do massacre, desconhecendo-se, por enquanto, se os ataques provocaram vítimas.

O Governo no Quénia promete uma recompensa até 195 mil euros a quem tenha informações que leve à captura do mentor do massacre na Universidade de Garissa.

Mohamed Mohamud, antigo professor, é o alegado mentor do massacre e estará em fuga desde essa altura.