A United Airlines viu-se obrigada a pedir desculpa a (mais) uma passageira, depois de esta ter viajado para o aeroporto errado, a mais de 4 mil quilómetros de distância do seu destino.

O incidente ocorreu no aeroporto de Newark, na Nova Jérsia, Estados Unidos, quando a francófona Lucie Bahetoukilae embarcou com destino a São Francisco, na Califórnia, pensando estar a viajar para Paris.

A porta de embarque foi alterada à última hora, sem que a passageira, que só fala francês, tenha sido avisada da alteração. Lucie não foi notificada por email sobre a alteração da porta de embarque que constava no seu bilhete, nem, já no aeroporto, ouviu qualquer aviso em francês.

O erro não foi detetado na porta de embarque nem à entrada do avião, apesar de estar a viajar para a Califórnia, quando o seu bilhete dizia Newark-Charles de Gaulle. O seu lugar, o 22C, estava já ocupado e a assistente de bordo limitou-se a mudá-la de assento, não reparando que aquela passageira não deveria estar ali.

Depois de aterrar em São Francisco, Lucie Bahetoukilae teve de esperar mais onze horas para conseguir um voo de volta a casa.

Este é o mais recente conflito a envolver a companhia aérea norte-americana, depois dos incidentes do mês passado, quando surgiram imagens de um passageiro a ser arrastado pelos corredores de um avião.

Lucie Bahetoukilae não fez qualquer exigência à United Airlines, segundo explicou à estação ABC a sobrinha, que a passageira visitava nos Estados Unidos.

No entanto, contactada pela ABC, a companhia aérea, que reconheceu a falha, adiantou que, apesar de Lucie não ter pedido o reembolso, não só foi reembolsada como recebeu um vale para voltar a visitar a sobrinha em Newark.