Um cão morreu  num voo da compania aérea United Airlines, que fazia a ligação entre Houston e Nova Iorque, na passada segunda-feira, depois de uma assistente de bordo ter ordenado ao dono que colocasse o animal no compartimento de bagagem.

 A companhia já assumiu responsabilidades pelo sucedido. 

Em comunicado, a United Airlines apelidou o sucedido de "um trágico acidente que nunca devia ter acontecido". 

"Os animais de estimação nunca devem ser colocados no compartimento para a bagagem do avião". 

Alguns passageiros relataram ter ouvido o cão a ladrar durante o voo, só tendo percebido que o animal tinha morrido quando o avião aterrou no aeroporto de La Guardia.

O cão estava dentro de uma pequena transportadora para animais, desenhada para caber debaixo da cadeira do passageiro.

De acordo com o porta-voz da United Airlines, Charles Hobart, a assistente de bordo disse ao dono do cão para colocar a transportadora no compartimento de bagagem, porque esta estava a obstruir parcialmente o corredor. Segundo Charles Hobart, não foi possível perceber porque não foi a transportadora colocada debaixo do banco.

Hobart garantiu ainda que a United estava a investigar o incidente e que devolveu o dinheiro dos bilhetes à dona do cão e aos dois filhos, bem como a taxa que pagaram para poderem levar o animal no voo.

De acordo com o Departamento de Transportes, no ano passado morreram 18 animais em voos da United Airlines. Nas outras companhias todas foram registados seis casos.