Os dois candidatos rivais à presidência do Afeganistão assinaram esta sexta-feira um acordo para a formação de um Governo de unidade nacional após a conclusão da auditoria aos votos em curso para determinar quem venceu a contestada eleição.

Ashraf «Ghani e eu estamos de acordo quanto à formação de um Governo de unidade nacional pelo bem do Afeganistão. Hoje assinámos uma declaração que reflete as ideias das duas equipas eleitorais», disse o candidato Abdullah Abdullah numa conferência de imprensa em Cabul.

Abdullah falava após um encontro entre os dois rivais e o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, que saudou o acordo como um avanço substancial para a estabilização política do país.

O Afeganistão mergulhou numa crise política depois de Abdullah Abdullah ter recusado aceitar os resultados preliminares das eleições de 14 de junho que davam a vitória a Ashraf Ghani, afirmando que o escrutínio foi marcado por fraudes «a uma escala industrial».

John Kerry negociou em julho um acordo nos termos do qual Ghani e Abdullah concordaram com a realização de uma auditoria completa a oito milhões de votos, após a qual o vencedor formaria um governo de unidade nacional.

Mas o acordo pouco avançou, com os dois candidatos a divergir tanto quanto à auditoria aos votos como ao plano de partilha do poder.

«Estamos a afirmar que vamos formar um governo de unidade nacional. O que nos une é muito maior que o que nos dividiu durante a campanha», disse hoje Ghani.