Mais de 100 crianças foram mortas no Iémen desde o início da ofensiva aérea lançada a 26 de março pela Arábia Saudita contra as milícias xiitas dos ‘huthis’, anunciou esta sexta-feira a UNICEF, a agência da ONU para a infância.

“Pelo menos 115 foram mortas e 172 sofreram mutilações” desde 26 de março, segundo um balanço fechado a 20 de abril, disse um porta-voz do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), Christophe Boulierac, numa conferência de imprensa em Genebra.

Do total de crianças mortas registadas, mais de metade (64) foram vítimas de bombardeamentos aéreos e quase um quarto (26) de munições que não explodiram ou de minas, precisou, segundo a Lusa.

A ofensiva dos rebeldes continuava esta quarta-feira, horas depois do anúncio feito pela coligação liderada pela Arábia Saudita da suspensão dos ataques aéreos no Iémen contra os adversários do presidente Hadi. Um país transformado num campo de batalha e uma guerra de palavras que ultrapassa as fronteiras do Iémen, já que Obama deixou avisos ao Irão a propósito do seu apoio aos rebeldes hutis