A UNICEF alertou, nesta terça-feira, que cerca de 11 milhões de menores podem ser afetados pelo fenómeno meteorológico El Niño, que está a causar secas e inundações em África, Ásia e América Latina.

“As consequências podem estender-se durante gerações, a menos que as comunidades afetadas recebam apoio”, afirmou o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) em comunicado.

Aquele fenómeno climático gera uma corrente de água quente no oceano Pacífico que provoca um aumento da temperatura do mar na costa, causando chuvas torrenciais nas zonas próximas do litoral.

A América do Sul é uma das regiões do mundo mais afetadas, com inundações nalgumas zonas do subcontinente e graves secas noutras.

A UNICEF lembra que além dos riscos de morte, o El Niño pode provocar o aumento de doenças como a malária, o dengue, a diarreia ou a cólera, especialmente mortais entre a população infantil.

"Quando condições meteorológicas extremas privam as comunidades dos seus meios de subsistência, as crianças sofrem frequentemente má nutrição, o que as coloca em alto risco de doença, atraso no desenvolvimento mental e morte prematura", indica o comunicado.

Em 2015, o El Niño está a afetar várias zonas do mundo, entre as quais a América Central, com uma das piores secas das últimas décadas.