A União Europeia (UE) e a NATO assinaram esta terça-feira, em Bruxelas, a segunda declaração conjunta comprometendo-se a aprofundar a cooperação iniciada há dois anos pelos dois blocos, nomeadamente na resposta à crise migratória.

A segunda declaração conjunta UE-NATO destaca sete áreas em que as duas organizações deverão aprofundar a cooperação, nomeadamente na resposta aos fluxos migratórios, no combate às ameaças híbridas, nas capacidades de defesa e exercícios conjuntos.

A investigação na indústria de defesa, a cibersegurança e o apoio aos parceiros de Leste e Sul são pontos também em destaque.

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO, na sigla inglesa) e a UE partilham 22 países-membros, sendo que a parceria se mantém “no espírito de uma total abertura mútua e em conformidade com a autonomia de decisão e procedimentos de nossas respetivas organizações e sem prejuízo do caráter específico da política de segurança e defesa de qualquer de nossos membros”.

Na quarta e quinta-feira decorre, em Bruxelas, uma cimeira da NATO, com a presença do primeiro-ministro português, António Costa.