A chanceler alemã, Angela Merkel, pediu esta quarta-feira à União Europeia para acordar uma distribuição proporcional de refugiados sem limites face aos números atuais, indo mais além do que a proposta apresentada hoje pela Comissão Europeia.

"Precisamos de um acordo vinculativo sobre a distribuição de refugiados de acordo com critérios justos entre os Estados-membros", disse, no Parlamento, acrescentando que não se pode falar num número fixo de refugiados a distribuir, mas sim pensar como se lida com todos os que chegam à Europa.


Não podemos, insistiu, "definir um teto e dizer 'não me interessa nada acima disso'", acrescentou a chanceler alemã.

A Alemanha espera receber 800 mil pessoas, quatro vezes mais do que há um ano e bem mais do que qualquer outro país da União Europeia.

Se os refugiados forem integrados rapidamente em escolas e no mercado de trabalho poderão "apresentar mais oportunidades que riscos", defendeu Merkel.

A responsável avisou, no entanto, que os refugiados têm de obedecer às leis alemãs e defendeu junto da comunidade que é preciso que os recém-chegados devem ser integrados na sociedade.

"Temos de tornar claro quais são as regras que se aplicam, e não devemos simplesmente assistir a que certas comunidades fiquem isoladas, rejeitem a integração e criem sociedades paralelas", concluiu.