O governo britânico respondeu este sábado a mais de quatro milhões de cidadãos que assinaram a petição para um segundo referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (‘Brexit’), excluindo a realização de nova consulta popular.

Segundo a agência France Presse, cada signatário da petição recebeu um ‘e-mail’ do ministério dos Negócios Estrangeiros.

A petição vinha pedir ao governo que criasse uma regra para que a decisão de sair ou ficar na União Europeia fosse anulada se tivesse menos de 60% dos votos, quando a votação que determinou o ‘Brexit’ obteve 51,9%.

Os eleitores britânicos optaram pela saída do projeto de integração europeu a 23 de junho, dia em que o Reino Unido realizou um referendo sobre a permanência na União Europeia.

No entanto, nem todos os britânicos ficaram contentes com a decisão e as marchas de protesto multiplicaram-se nas ruas londrinas e à frente do parlamento britânico. Os milhares de cidadãos protestavam contra a saída da União Europeia, que provocou turbulência política e dividiu a opinião pública. 

A votação levou à demissão do primeiro-ministro David Cameron, desencadeando uma batalha pela liderança no partido conservador, no poder, e lançando o caos no principal partido da oposição, os trabalhistas.

Do lado do Partido Conservador, os deputados escolheram duas candidatas a líder: a Ministra do Interior, Theresa May, e a secretária de estado da energia, Andrea Leadsom. Cabe aos militantes elegerem uma delas para suceder a David Cameron, no início de setembro.