Um juiz em Madrid decretou hoje a prisão preventiva do pedófilo espanhol Daniel Galván, indultado por engano pelo rei de Marrocos e detido na segunda-feira em Espanha.

O juiz Fernando Andreu, que aceitou o pedido de prisão preventiva apresentado pelo Ministério Público, justificou a decisão com o risco de fuga do acusado e a gravidade da pena a que foi condenado em Marrocos (30 anos de prisão).

Galván ficará assim em prisão preventiva enquanto o tribunal decide se o condenado deve ou não ser extraditado para Marrocos.