Mais de 2.000 pessoas saíram na terça-feira às ruas de Casablanca, a maior cidade de Marrocos, contra o perdão real concedido por erro pelo rei Mohamed VI a um pedófilo espanhol, constatou um jornalista da agência AFP.

«Nós queremos uma reforma da justiça», «Dignidade e Justiça», «o povo quer que os culpados sejam julgados», gritavam os manifestantes na praça Mohamed V, no centro de Casablanca.

Marrocos tem sido palco de um grande movimento de indignação depois de ter sido concedido um perdão real, a 30 de julho, a 48 presos espanhóis, entre os quais Daniel Galvan, de 63 anos, condenado em 2011 a 30 anos de prisão por violação de 11 menores.