O mausoléu de Rómulo reabriu esta terça-feira ao público no complexo arqueológico da vila do imperador Majencio, nos arredores de Roma, depois de ter estado encerrado vinte anos, seis dos quais, para restauração.

Trata-se de um grande monumento fúnebre que o imperador Marco Aurélio Valério Majencio (que governou entre os anos 306 e 312) mandou construir para sepultar o seu filho Rómulo, que morreu prematuramente, no ano de 309.

O monumento reabriu vinte anos depois de ter estado encerrado, sendo que os últimos seis anos foram dedicados a obras de restauro, nas quais intervieram um grupo de presos no âmbito de um programa de reinserção social, por ordem do Ministério da Justiça italiano.