A investigação australiana ao misterioso desaparecimento do voo MH370 da Malaysia Airlines apurou que o avião sofreu um corte de energia durante o início da viagem, adiantam os media australianos.

As descobertas da Autoridade de Transporte e Segurança da Austrália levantam a possibilidade de que o equipamento do cockpit ter sido sabotado, numa tentativa de que o avião não fosse detetado nos radares.

No relatório, os investigadores do acidente revelam que o aparelho terá tentado ligar-se ao satélite, cerca de uma hora e meia depois do avião ter partido de Kuala Lumpur, a 8 de março.

O pedido, denominado normalmente como «aperto de mão», terá sido causado por uma falha de energia a bordo, revela a página 55 do relatório. «Um pedido de ligação no meio de um voo não é comum e pode ocorrer apenas por algumas razões», lê-se.

«Isto inclui uma interrupção de energia na unidade de dados do satélite (SDU), uma falha de software, perca de sistemas que providenciam dados ao SDU ou perca de ligação devido à altitude do avião. Uma análise efetuada permitiu determinar que as características do pedido de ligação e o momento do pedido são mais compatíveis com uma falha de energia», revela o documento.

Um especialista em segurança considera que a falha de energia pode ter sido causada por alguém no avião que tentou desligar o aparelho para que não fosse detectado pelos radares, segundo escreve o Telegraph.