O líder do Partido da Independência do Reino Unido (UKIP), antieuropeu, considerou «histórico» o resultado obtido nas eleições europeias, numa altura em que conta com 23 dos 73 deputados eleitos pelo país.

Depois de em 2009 o partido de Nigel Farage ter conquistado 13 dos assentos britânicos no Parlamento Europeu, nas eleições de domingo contava com 23 lugares, quando estavam por apurar ainda dois dos 12 círculos eleitorais no Reino Unido.

Com os resultados apurados até agora, o UKIP consegue 27% dos votos, ou seja, mais dois pontos percentuais do que os Trabalhistas, o maior partido da oposição.

Os conservadores liderados pelo primeiro-ministro, David Cameron, figuravam como a terceira força, com cerca de 24% dos votos, apesar de estarem «empatados» com os Trabalhistas - ambos conquistaram com 18 assentos -, quando faltam os dados da Escócia e da Irlanda do Norte.

O UKIP, que defende o abandono da União Europeia, foi em 2009 a segunda força mais votada neste país, com 13 lugares, face aos 25 lugares dos conservadores.

Os grandes derrotados nas eleições no Reino Unido são os liberais-democratas, que governam em coligação com os conservadores de David Cameron, que apenas conquistaram um lugar em Estrasburgo.

A taxa de participação rondou os 36%, tendo sido ligeiramente superior aos 34,7% registados em 2009.