As tropas ucranianas e as milícias pró-russas acusaram-se hoje mutuamente de violar o cessar-fogo no leste da Ucrânia, palco de um conflito que fez aproximadamente 7.000 mortos, entre civis e combatentes, segundo os mais recentes dados da ONU.

“Durante o dia de ontem [quarta-feira] formações armadas ilegais violaram, por 90 ocasiões, o cessar-fogo”, refere um comunicado do quartel-general das tropas ucranianas destacadas na zona do conflito.


Segundo os militares, as milícias atacaram posições de efetivos do regime junto às localidades de Manrinka, Starognatovka, Projorovka e Zaitsevo, recorrendo ao uso de morteiros, lançadores de ‘rockets’ e metralhadoras pesadas.

Por seu lado, a liderança das milícias da autoproclamada República Popular de Donetsk, principal bastião dos separatistas pró-russos, denunciou que as tropas de Kiev lançaram 30 ataques contra localidades controladas pelos separatistas.

A Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) expressou a sua preocupação pelo aumento do número de violações da trégua acordada em Minsk em fevereiro último.

“A continuação das ações militares não oferece nenhuma perspetiva ao povo do leste da Ucrânia”, afirmou na noite de quarta-feira o representante especial da OSCE no Grupo de Contacto para a Ucrânia, o austríaco Martin Sajdik, numa reunião que teve lugar na capital da Bielorrússia versando o cumprimento dos acordos de paz.