O ministro da Saúde ucraniano, Oleg Musi, admitiu esta quarta-feira de que, durante a operação contra os rebeldes pró-russos iniciada no passado dia 2 de maio, «os depósitos dos cadáveres receberam os corpos de 210 pessoas, entre eles 14 crianças».

No entanto, esta terça-feira, só nas regiões rebeldes de Donetsk e Lugansk, registaram-se 50 mortes durante os confrontos entre as forças ucranianas e os rebeldes.

De acordo com o «El País», Musi não especificou quantas baixas sofreram as forças governamentais e as milícias, nem o número de vítimas entre a população civil. Esta terça-feira os pró-russos informaram que morreram 21 soldados ucranianos, enquanto a imprensa ucraniana assinalam a morte de 40 rebeldes depois de um ataque a um posto da Guarda Nacional da Ucrânia.

O presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, ordenou que fosse aberto um corredor humanitário para permitir a saída de civis de Donetsk e Lugansk, como resposta aos pedidos dos russos e dos rebeldes.

Kiev ainda não tinha aceitado a abertura do corredor porque considerava que os ataques a leste do país faziam parte de uma operação «antiterrorista» que não prejudicavam o país.