O kuwaitiano Musab Shamsah foi condenado esta segunda-feira a cinco anos de prisão depois de fazer um comentário na rede social «Twitter» sobre o profeta do islão, Maomé, informa a BBC.

Um artigo do código penal deste emirado proíbe qualquer cidadão de proferir qualquer comentário jocoso sobre religião. Um outro artigo criminaliza também a publicação e divulgação de conteúdo negativo para com a religião.

Shamsah foi condenado por estas infrações além de uso (incorreto) do seu telemóvel para disseminar comentários indesejáveis.

O advogado de Shamsah disse que o seu cliente se declarou inocente de todas as acusações e afirmou que a publicação tinha sido mal interpretada e, acima de tudo, foi apagada ao fim de 10 minutos e substituída por duas publicações novas que explicavam a anterior.

Musab é o segundo kuwaitiano a ser condenado em apenas três semanas, depois do bloguista Hamad al-Naqi, que foi sentenciado a 10 anos de prisão por insultar o profeta e os reis da Arábia Saudita.

Uma associação americana de direitos humanos já condenou estas sentenças e acusa o governo do Kuwait de insultar o povo daquele país por ter este tipo de autoridade, sobre expressões pacíficas sobre religião, política e outros ideais.