Milhões de utilizadores estiveram, esta terça-feira, sem acesso às contas de Facebook e Instagram  durante cerca de 40 minutos. A falha nas redes sociais durou pouco, mas deu origem a várias reações precisamente noutra rede social: o Twitter. O Facebook já veio esclarecer o que aconteceu e afastou os rumores de que em causa estivesse um ataque de hackers.

 A queda no serviço afetou vários países, segundo um mapa publicado por um site que monitoriza algumas das principais redes sociais. A falha afetou sobretudo os EUA, mas também a Austrália e a Nova Zelândia registaram falhas. 
  Ao tentarem aceder ao Facebook vários utilizadores foram recebidos com uma mensagem que dizia: «Desculpe, algo está errado. Estamos a trabalhar e o problema será solucionado o mais cedo possível».
 
Mais tarde o Facebook veio assumir a culpa pela falha e descartar a hipótese de que se ter tratado de um ataque de piratas informáticos. 

«Isto não é um ataque de terceiros. Ocorreu depois de introduzirmos mudanças que afetaram a configuração do nosso sistema», afirmou a porta voz do Facebook citada pela BBC. A mesma fonte garantiu ainda: «Estamos a trabalhar com rapidez e todos os serviços estarão a 100% para toda a gente».
 
A aplicação de encontros online «Tinder» cujo servidor se apoia no Facebook também foi afetada por este problema, bem como o Hipchat e o AOL Instante.

Para alguns utilizadores, cada minuto é uma hora e os sentimentos demonstrados foram muitos:
  Um grupo de hackers, «Lizard Squad» tinha escrito no Twitter que o serviço iria ficar offline. O comportamento do grupo responsável por outros ataques levantou suspeitas sobre o envolvimento no bloqueio.
  « Lizard Squad» («Esquadrão do Lagarto», em tradução livre),é um grupo de hackers que já efetuou ataques que invadem os sistemas tornando-os temporariamente inativos. Anteriormente, o grupo tinha já sido ligado a ataques que consistiram na sobrecarga dos sites de jogos da Xbox e Playstation com pedidos de acesso para levar ao colapso.