A Fundação Nacional do Índio, Funai, divulgou imagens inéditas do primeiro contacto com índios isolados, na fronteira do Acre com o Peru, no Brasil. O grupo, de sete índios, foi forçado a deixar a tribo na sequência de um ataque por traficantes e madeireiros de exploração ilegal. Os ativistas acreditam que os traficantes peruanos de cocaína incendiaram as casas e alvejaram índios.

Os quatro homens, duas mulheres e uma criança, que andam nus e carregam arcos e flechas, fazem parte de uma tribo de cerca de 50 indígenas isolados do mundo.

Especialistas consideram o encontro um «momento histórico», não apenas pelo contacto estabelecido com estes índios pela primeira vez, mas pela pressão em que vivem estas tribos devido às explorações de petróleo, madeira e ao narcotráfico presente na região de fronteira, sobretudo, no lado peruano.

Alguns indígenas apresentavam sinais de gripe e foram levados para a Base de Proteção Etnoambiental no Xinane, onde receberam tratamento médico.

O grupo de índios já regressou para a sua aldeia mas ainda se encontra sob ameaça. A presidente da Funai revelou que vão investigar as ameaças feitas a esta tribo da Amazónia.