O ex-primeiro-ministro britânico, Tony Blair, viu o seu nome numa lista das figuras mais influentes para a comunidade LGBT, nos últimos 30 anos. Nessa lista, encontram-se também os nomes de Boy George, Sir Ian McKellen, Barbra Streisand e Joan Rivers.

Blair foi galardoado com o prestigiado prémio de honra pela «Gay Times», para marcar o 30 º aniversário da publicação. É ainda a estrela da capa de uma revista eletrónica, disponível para download a partir desta sexta-feira, 26 de Setembro. A versão em papel chega às bancas no dia 1 de outubro.

Mas esta não será a primeira vez que Blair aparece numa capa. Em março de 1997, quando ainda era o líder da oposição, a «Gay Times» lançou uma edição com uma sessão fotográfica do político. Blair escreveu ainda um artigo para a revista no período que antecedeu as eleições de 2005.

Enquanto primeiro-ministro, supervisionou a redução legal da idade de consentimento homossexual, harmonizando-a com a concedida aos casais heterossexuais. Supervisionou também a revogação do Artigo 28 - Lei Municipal que proibiu autoridades na Inglaterra e no País de Gales de «promover» a homossexualidade e rotular as relações familiares homossexuais como «fingidas».

«Tenho muito orgulho. Considero o prémio como uma parte significativa do meu legado», confessou Blair ao «The Independent».

«Independentemente das opções políticas, é difícil negar o que Tony Blair e o seu governo fizeram pela a comunidade LGBT», acrescentou o editor Darren Scott.

Talvez antecipando uma reação semelhante à recebida pela revista britânica GQ, depois de terem declarado Blair como o filantropo do Ano nos Prémios GQ, no início deste mês, a revista também emitiu a seguinte declaração: «Quaisquer que sejam as realidades da sua filantropia e da reação ao prémio GQ, o seu estatuto como embaixador dos direitos dos homossexuais é inegável».