A TAP vai cancelar o voo da próxima sexta-feira, entre Caracas e Lisboa, um dos voos extraordinários com os quais reforçou recentemente as operações aéreas para a Venezuela na época alta, confirmou fonte da empresa à Agência Lusa.

«O voo foi cancelado por questões de frota e manutenção. Os passageiros estão protegidos, estão a ser contactados telefonicamente e encaminhados para outros voos. Opcionalmente alguns sairão em voos em data posterior e outros estão a antecipar a viagem», disse.

No passado dia 29 de maio, a TAP anunciou que reforçaria as operações para a Venezuela, passando progressivamente de três para sete voos semanais, durante a época alta.

O reforço das operações levaria a TAP a efetuar, a partir de 11 de julho, um voo diário, até 30 de setembro.

A fonte não confirmou se eventualmente vão ser cancelados alguns outros voos da operadora.

O cancelamento do voo tem lugar em momentos em que os emigrantes seguem com preocupação os anúncios das linhas aéreas na Venezuela, devido a dificuldades para conseguir lugares disponíveis para viajar a alguns destinos, entre eles Portugal.

Também devido a uma eventual alteração no câmbio da cotação bolívar/dólar e a atrasos nos pagamentos de dívidas, de parte do Governo venezuelano, às operadoras internacionais, que levou algumas companhias a reduzir os voos, a usar aeronaves mais pequenas e a suspender a venda de bilhetes.

Na Venezuela, está em vigor desde 2003 um apertado sistema de controlo cambial que impede a livre obtenção de moeda estrangeira no país e obriga as companhias aéreas a terem autorização para poderem repatriar os capitais gerados pelas operações.

O Governo da Venezuela deve atualmente 3,43 mil milhões de dólares (2,52 mil milhões de euros) às companhias aéreas internacionais, por repatriação dos capitais e lucros correspondentes às vendas de bilhetes aéreos desde 2012, que tem sido dificultada pelas leis cambiais vigentes.

As dívidas afetam a portuguesa TAP e outras 15 linhas aéreas internacionais.

Estas dificuldades levaram a Air Canadá e a Alitalia a suspender recentemente os voos para Caracas, enquanto a American Airlines reduziu em 80% as suas operações e a Lufthansa decidiu suspender a venda de novos bilhetes.

Segunda-feira a Delta Airlines, uma das maiores linhas aéreas norte-americanas, anunciou que vai reduzir 86% dos voos semanais que realiza entre Atlanta e Caracas, a partir de 1 de agosto de 2014.