O Serviço de Segurança russo vai iniciar uma acção judiciária contra os trinta ativistas da organização não governamental Greenpeace por pirataria.

Na passada quarta-feira, dois ativistas, um suíço e um finlandês, foram detidos ao tentar subir a plataforma da produtora de gás natural estatal Gazprom, mas foram rapidamente libertados. No dia seguinte, as autoridades russas procederam a prisão preventiva dos trinta ativistas no interior do navio «Arctic Sunrise», adianta a «Euronews».

O objetivo da Greenpeace era denunciar as consequências nefastas da exploração dos recursos energéticos para ao meio-ambiente.

Na Rússia, a pirataria é punível com pena até 15 anos de prisão.