A polícia britânica descobriu que o casal que manteve em cativeiro três mulheres durante décadas terá mais treze moradas, para além daquela onde foram encontradas as vítimas.

O caso de escravatura foi descoberto quando a mulher mais velha viu uma reportagem na televisão sobre uma associação que ajudava vítimas de casamentos forçados, a «Freedom Charity». A mulher conseguiu entrar em contacto com a associação que, em colaboração com a polícia, conseguiu libertar as três mulheres.

As mulheres, de 69, 57 e 30 anos foram retiradas de uma casa em Londres e pareciam estar traumatizadas. A mais velha é natural da Malásia e as outras duas têm nacionalidade irlandesa e britânica.

Alegadamente, o casal, com 67 anos, explorava estas mulheres, mantendo-as em cativeiro contra a sua vontade fazendo delas suas escravas no trabalho doméstico.

A polícia efetuou buscas perto de Peckford Place, em Brixton, local onde foram encontradas as três mulheres e suspeita que o casal sexagenário tenha mais treze moradas na capital londrina.

De acordo com o que foi apurado durante as investigações, o casal já tinha sido preso na década de 1970, embora a polícia não ter revelado a «news sky» o motivo.

As autoridades terão agora de proceder as operações de busca nos treze locais.