Os pais de uma jovem, que desapareceu misteriosamente no Pacífico, continuam a acreditar que a filha está viva.

Danielle Wright de 19 anos e os seis amigos estão desaparecidos desde o mês de junho do ano passado, após o navio onde seguiam ter sido atingido por uma tempestade. Uma «imagem fantasmagórica» recente do barco desaparecido veio, no entanto, aumentar as esperanças de que o navio possa ainda estar à tona.

Os pais, Robin e Ricky, já se mudaram da cidade Baton Rouge, na Luisiana, nos Estados Unidos, para a Nova Zelândia, para alargar o perímetro das buscas. Estes pais deixaram às suas vidas, às suas carreiras, à sua empresa, para poder procura a tempo inteiro à sua única filha.

A embarcação onde seguia Danielle tinha partido da baía de Islândia, na Nova Zelândia, no dia 29 de maio, com destino a Nova Gales do Sul, na Austrália.

As últimas informações sobre o paradeiro da tripulação remontam ao mês de junho após um dos passageiros ter enviado uma mensagem de texto a pedir informações sobre o mau tempo. E a partir desse dia, nunca mais se soube nada nem da embarcação nem dos passageiros.

Mas os pais de Danielle ainda não perderam a esperança de um dia poder voltar a abraçar a filha. Para continuar com as buscas, estes pais distribuem, todos os dias, pelos locais que frequentam panfletos e pulseiras a pedir ajuda, uma vez que as autoridades já desistiram do caso.

«Não há nada que comprova que o barco efetivamente afundou. Continuo a acreditar que a minha filha está numa ilha remota a espera que a encontremos», revelou a mãe de Danielle ao jornal Daily Mail.



Além disso, uma imagem da embarcação captada no dia 15 de setembro, no Mar da Tasmânia, veio reforçar a convicção desta mãe.

Ricky, pai de Danielle, vai agora aprender a pilotar aviões para que possa fazer as suas próprias buscas.