Um casal de idosos foi morto a tiro pela filha e o marido, que depois enterraram os corpos no jardim de casa, em Mansfield, na Inglaterra. Os suspeitos do crime conseguiram ainda enganar a família durante 15 anos ao fazerem-nos acreditar que ainda estavam vivos.

William e Patricia Wycherley foram mortos com dois tiros cada um e depois enrolados em lençóis e enterrados, um em cima do outro, no jardim da sua própria casa, em 1998. Os corpos só foram encontrados passados 15 anos, no ano passado, em Outubro.



Endividada, Susan Edward e o marido enganaram a família, vizinhos, médicos e instituições financeiras, durante quinze anos, para poderem encobrir o assassinato e continuarem a roubar os pagamentos das pensões. O casal falsificou assinaturas, forjou documentos, escreveu cartas a familiares e criou a falsa ideia de que o casal tinha ido morar para a Irlanda devido aos «bons ares».

O tribunal ouviu ontem os dois suspeitos, que já tinham admitido num outro julgamento, ter enterrado o casal de idosos no jardim de casa. O procurador do tribunal revelou que as duas contas conjuntas, detidas pelo casal, foram «limpas» logo após as mortes.

A mesma fonte acrescentou que o casal, passados os 15 anos de mentira, fugiu para a França depois de terem recebido uma carta da Sociedade Centenária a solicitar falar com o pai de Susan, porque ele ia completar 100 anos de idade.

Quando o dinheiro acabou, o marido de Susan ligou à madrasta a pedir-lhe dinheiro e contou-lhe o que se tinha passado em 1998. A madrasta contatou a polícia e os corpos foram exumados do jardim.

Os acusados depois de voltarem ao Reino Unido foram presos, admitindo ter enterrado os corpos no jardim e roubado as contas, mas negando ter assassinado o casal de idosos.