Um tribunal belga declarou que os cartazes de uma campanha de um grupo de extrema-direita flamenga tinham de ser retirados. Em causa está o uso indevido dos sapatos do criador Christian Louboutin.

O anúncio publicitário, integrado numa ação da associação «Mulheres Contra a Islamização», mostra as pernas de uma mulher, vestida de preto e com a indicação dos níveis de aceitação de nudez por parte dos muçulmanos.

No cartaz pode ler-se adjetivos como «aceitável» ou «de acordo com a sharia» (lei islâmica) para uma saia até aos pés.

Os sapatos utilizados na campanha são vermelhos, imagem de marca de Louboutin.

A empresa francesa não quis ser associada a esta campanha e iniciou uma ação judicial no Tribunal do Comércio de Antuérpia, na Bélgica.

Os promotores da campanha, ligados ao partido Vlaams Belang (Interesse Flamengo), têm agora 24 horas para retirar os cartazes. A modelo que aparece na campanha é Anke Van Dermeersch, antiga miss belga e deputada do partido flamengo.

Quando soube da decisão, o líder parlamentar do partido, Filip Dewinter, publicou, através da rede social Twitter, uma imagem ligeiramente modificada da campanha. Agora, a modelo aparece deitada e as solas dos sapatos são amarelas.

De acordo com as estatísticas divulgadas na passada sexta-feira, o partido Vlaams Belang foi apoiado por cerca de dez por cento dos eleitores flamengos, acrescenta ainda a ABC.