O conflito entre a Síria e Israel tem vindo a agravar-se cada vez mais. Desde Março, instaurou-se um sistema ilegal de transferência de pacientes, que são levados para Israel.

Uma equipa da BBC decidiu investigar o caso e foi até Israel para visitar a maternidade do hospital Rebecca Sieff, na cidade de Safed. No dia em que os jornalistas chegaram ao local, puderam presenciar um parto.

O marido contou aos repórteres que quando a mulher entrou em trabalho de parto, ela foi imediatamente levada para a maternidade da cidade síria mais próxima. Mas ao chegar ao local, os médicos consideraram que a jovem mulher não poderia ser hospitalizada naquela maternidade.

O casal teve de arranjar um plano B e optou por recorrer a Israel. O casal dirigiu-se então até a linha de cessar de fogo e aí uma ambulância militar reencaminhou-os até a maternidade Rebecca Sieff, em Israel.

Este não é um caso isolado. O sistema de transferência de pacientes já é tão recorrente que alguns doentes já são automaticamente mandados pelos médicos sírios para hospitais israelitas. No entanto, os pacientes nunca poderão admitir que recorreram a tratamentos em Israel com medo das represálias.

De acordo com o que a BBC apurou, quem mais recorre a este tipo de ajuda são as mulheres e as crianças.

«Aquilo que os pacientes mais anseiam é pela paz entre os dois países», acrescentou Oscar Embon, diretor do Hospital Rebecca Sieff.